Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

sexta-feira, 8 de junho de 2012

PESADELO CHAMADO PESTANA


Com vinte e poucos anos resolvi fazer aulas de violão. Comecei com toda euforia que se possa imaginar. E me sentia o último biscoito do pacote, ao transportar o violão pela rua, a caminho da escola de música. Ouvir os repetidos sons, inúmeras vezes, tentando acertar cada nota musical, era como se ouvisse uma sinfonia, e já planejava os meus shows, e já me deleitava com a minha arte.

Porém (porém?)... Com o passar dos dias, e com o grau de dificuldade que ia surgindo, fui me retraindo. Chegava à casa cansada, deitava um pouco... Mesmo assim não negligenciava, e, minutos depois, me abraçava ao violão, para o treinamento diário. As lições eram repetitivas, e isso foi me irritando... Eu dedilhava tanto, e o que eu ouvia não era satisfatório, só aquele barulho chato, isolado, de cada nota musical.

Permaneci ainda por alguns meses na escola. Particularmente eu não via progresso algum, mas o professor me dizia que eu ia muito bem: até chegar às lições com pestana. Na verdade, nem lembro mais da linguagem técnica a ser utilizada para me referir a isso.

Eu já conseguia tocar duas músicas, apesar da dificuldade, mas quem as ouvisse, saberia distinguí-las. Entretanto, com o advento da pestana, meu mundo caiu. Era um terror. A posição acertada era pressionar e segurar todas as cordas do violão na pestana, se não me falha a memória, com o dedo indicador, e depois dedilhar as cordas, de acordo com as notas.

Aos que tocam violão, e conhecem os procedimentos e as técnicas, peço desculpas, pela descrição grosseira - típica de quem não sabe de nada.

E assim, fui me torturando, dia após dia, na esperança de, por um grande milagre, conseguir fazer a pestana de forma correta. O meu indicador se recusava a colaborar. Por mais que eu o exercitasse ele não progredia. Encurvava-se totalmente ante as cordas do violão, e eu me entristecia cada vez mais, e via desaparecer a euforia e a vontade de aprender.

Não sentia mais vontade de treinar, e só de olhar para o violão, sentia-me acuada, incompetente... E pensei: preciso cancelar meus shows. E isto significava abandonar minhas aulas, pois, constatara que não tinha a menor vocação, assim como também não tenho para tantas outras coisas.

Não me frustrei. Os momentos mágicos, ao som de voz e violão, eu poderia desfrutar mediante o talento de outras pessoas. A música é sublime. É um dom maravilhoso, e quem não recebe de Deus esse talento, até pode tentar se inserir no meio, mas, dificilmente será um bom artista.



Brinco quando digo que pensei em shows, era apenas o meu sonho de aprender arrancar daquele aparelho acordes harmoniosos, ou quem sabe, arrancar de mim algum talento escondido, mas, cheguei à conclusão, de que se estava escondido era num lugar ignorado, num recôndito, onde talvez numa vida superior, me seja dada a chance de encontrá-lo, não aqui, não agora...

E confesso que o violão me deu duas grandes alegrias: a primeira, quando o recebi, cheia de entusiasmo, para iniciar as aulas, e a segunda, quando o devolvi, livrando-me do pesadelo da pestana, com o que eu até sonhava, e mesmo em sonhos, nunca consegui bom desempenho.

Por Socorro Melo

18 comentários:

She disse...

Socorro, minha querida, eu simplesmente amei o seu texto e sua experiência e como nada vem para a gente nessa vida por acaso certamente o violão chegou e saiu com o consentimento de Deus. Olha quantas coisas você aprendeu e agora está aí ensinando pra gente. E assim é com tudo na vida. O seu violão me serviu como metáfora para as minhas coisinhas também... Amei! Obrigada por compartilhar!
Bjbj e excelente final de semana!
She

manuel marques disse...

Não há sensação melhor do que acordar de um pesadelo e descobrir que aquilo se tratava apenas de um sonho ruim.

Beijo e bom fim de semana.

Élys disse...

É o aprendizado é um pouco difícil...
Cheguei, também estudar um pouco já conseguia acompanhar um pouquinho, foi quando conheci o teclado e gostei e por algum tempo toquei amadoramente. Hoje já parei, tem muito tempo.
Tenha um bom fim de semana.
Élys

Jaque disse...

Nunca tentei tocar violão, mas cantei durante um bom tempo num grupo de jovens e achava o máximo ver meus amigos tocando. Depois, conheci a bateria e a guitarra com a banda de outros amigos. Ficava facinada mas não me imagino tocando uma bateria... Admiro muito quem consegue e entro na música, na emoção...

E por falar em dom, sai do grupo de jovens porque eu não cantava NADA, mas no meio de tantas vozes até passava despercebida rs

Um beijo querida!

Toninhobira disse...

Pois Socorro eu tambem pensei ser um violeiro e nem toco sino.Meu pai e irmão tocavam divinamente quase todos os instrumentos.A tal pestana é um suplicio mesmo,mas ficou linda sua historia da arte na musica.Pena que perdemos o Show que seria de graça,rsrs.
Tem coisas que vão alem do nosso querer.Instrumento penso ser uma delas.
Bom fim de semana amiga.
Meu abraço de paz e luz

✿ chica disse...

rsss...Quando não gostamos não adianta continuar.Fizeste bem em devolver...beijos,lindo fds,chica

ELAINE disse...

Acordados ou em meio a um sonho ou pesadelo, tudo é aprendizado! O carinho dos amigos traz um bem e um conforto que nem imaginas! É um alimento para o coração! Terei uma postagem nova na segunda-feira, dia 11 de junho.
Grande e carinhoso abraço!
Um sábado abençoado!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Eu bem que gostaria de ter estudado piano, que era o que eu queria, mas nunca vou saber se teria conseguido ou não, ser uma pianista: nunca sequer tentei. Adoro violão, meu filho toca e isso me basta. Em Arte, só "testei" meu talento nas Artes Cênicas. Nesta garanto que me saí bem.

Sua crônica "confidencial", ao seu público, está excelente. O conteúdo, faz parte das suas pegadas...e que pegadas!!!

Lúcia Soares disse...

Socorro, a vida é assim, cheia de tentativas e desistências. "Tudo podemos, mas nem tudo nos convém", como disse São Paulo (não no sentido de matéria, mas serve só de comparação). Pelo menos você tentou, não passou a vida frustrada por não tê-lo feito. Foi fundo, até perceber que não era o que pensava e o que queria.
Tenho paixão por piano, nunca cheguei nem perto de um (para tocar) e fico pensando que possivelmente também não gostaria, se tentasse. Gosto da mágica dos teclados, mas não sei se queria aprender música verdadeiramente.
Beijo e bom fim de semana.

Beth/Lilás disse...

Ah, minha filha então estás como eu, só que no piano!
Também descobri que não tinha talento para a coisa logo depois da 3a. aula.
Meus dedos não tinham agilidade e como sou meio cegueta, preciso de óculos para tudo, não sabia se olhava a partitura ou o teclado.
Realmente, talento musical não é para todos!
bjs cariocas

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Querida amiga Socorro, boa noite, embora fria, quase gelada aqui no sul, bem diferente do teu nordeste não é mesmo? Legal teu texto. Foi feliz duas vezes, ao ganhar e ao devolver o violão... nem todos nascemos com esse dom, para tudo na vida temos um dom, eu descobri o meu... viajar, viajar e viajar... descansar e viver a vida... que é muito curta diga-se de passagem. Mas valeu a tentativa de ser uma cantora né... eu nunca tentei pois não tenho esse dom tocar... Obrigado pela tua sempre amável visita em meu diário. Tenha um ótimo final de semana, fique com DEUS, beijos.

Sissym disse...

Socorro, eu conheço alguns violonistas profissionais e é algo delicioso de se ouvir bem tocado.
Quando nova, adolescente, eu queria aprender piano e minha mãe me colocou em aula de violão. Bom, nunca gostei, tive um otimo violao, aprendi meia duzias de musiquinhas, mas gosto é gosto e não era a minha praia. Nunca esqueci disso, pq até hoje eu amo piano e tenho tristeza por nao ter tido a oportunidade de aprender.

BEIJOS

Socorro Melo disse...

Oi, gente!

Que delícia, adorei os comentários! Muito grata pela força que me deram, rsrs
Eu também adoro piano, violoncelo, violino, mas, só para me deleitar, pois,não me atreveria, sequer, a tentar, pois não tenho mesmo o dom da música.
No entanto, foi muito interessante a tentativa de tocar violão.
Ei, Toninho,penso que nem o sino eu aprenderia tocar também, rsrs

Beijos a todos e bom fim de semana
Socorro Melo

Anne Lieri disse...

Socorro,nem todos nascem com o mesmo dom!Eu tb só arranho o violão e tenho duas irmàs que são musicas,mas cada um cada um!Adorei sua história!bjs e meu carinho!

Palavras Vagabundas disse...

Socorro,
passeando por blogs amigos, vi muitas aqui nos comentários, vim te conhecer. Eu tenho péssimo ouvido, nem tentei, sonhei ou quis chegar perto de um instrumento musical, definitivamente não é minha praia, admiro quem tenta e mesmo não conseguindo, sempre sai recompensado pois passa a se conhecer melhor. Apesar de ser péssima em matéria musical tenho uma filha que faz faculdade de música.
abs e bom fim de semana.
Jussara

ELAINE disse...

Socorro querida! Durante toda a nossa vida teremos momentos para seguir em frente, quase desistir, tentar de novo e assim iremos aprendendo e crescendo....Hoje estou reiniciando minha aventura no universo da blogosfera! A aventura do carinho, da amizade entre blogs e corações blogueiros! Blogs que vivem com alma, escrevem com o coração e para os quais o carinho e a preocupação dos amigos traz um bem e um conforto incomparáveis! Alimenta o coração e fortalece o espírito! Seja muito bem-vinda sempre! Amigos como você são um estímulo e uma inspiração! E é para quem posto e escrevo! Que o amor renovador e a Paz de Jesus Cristo habitem nossos corações sempre! Abraço fraterno, saudoso e carinhoso!
Um início de semana iluminado!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

♫*Isa Mar disse...

Oi Socorro, sabe que te lendo aqui revivi algumas passagens minhas.
Confesso que sempre tive muita vontade de aprender tocar violão, acho maravilhoso e até tentei...juro, mas tb não consegui...
Precisei cortar minhas unhas, e isso foi algo que me mutilou na época, pois sempre as tive compridas, tentei e tentei, fiquei com calos nos dedos mas nada de progressos.
Fiquei frustrada e imaginei em meus devaneios um violão diferente, onde eu pudesse tocar sem precisar sofrer tanto e mesmo assim produzir sons que eu admiro tanto.
Quem sabe fica pra outra hora, ainda tenho muita vontade de tocar, mas...preciso de um violão diferente rsss
Beijos amiga e ótima semana!

Elisa T. Campos disse...

Socorro

Mas, me deliciei com os acordes harmoniosos de sua escrita.
Cada um tem um dom. E o seu soa como uma linda melodia.

Bjs