Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

quinta-feira, 30 de junho de 2016

DUDA

  
Quando perguntei para uma pessoa do lugar onde morava Duda, ela ficou surpresa e perguntou:

-          A deficiente? De onde você conhece? – Perguntou. E indicou-me o caminho.

Seguimos, pois não estava só, pelas ruas estreitas da Vila, e a poucos metros localizei a casa da minha amiga. Fomos recebidas com alegria efusiva, característica bastante peculiar a Duda. Conversamos por longo tempo, e quanto mais eu entrava no universo dela, mais intrigada eu ficava.

Olhando para o seu rosto, iluminado por um sorriso espontâneo, recordei da nossa infância. Duda era bem diferente de mim, mas, sempre fora uma grande amiga. Eu gostava de estudar, era tímida, calada, comedida, e Duda, o oposto. Não gostava de estudar, era extrovertida, tagarela, e sem limites.

Lembrei de uma de suas maiores travessuras: morávamos bem perto uma da outra. A minha casa situava-se numa rua transversal à rua em que ela morava. Numa tarde de verão, quando o sol já declinava no horizonte, ouviu-se grande burburinho na rua. Da minha janela, observei grande movimento à frente de sua casa, e corri até lá, para ver o que acontecera.

O lugar onde morávamos era um pequeno povoado, um bairro afastado da cidade, cerca de cinco a sete quilômetros. E imagino que metade da população se postava diante da casa de Duda, naquela tarde.

O que aconteceu? – perguntei a alguém. E responderam-me que pela terceira vez, naquele dia, eram jogadas pedras sobre o telhado da casa. A família já havia investigado, procurado, e não tinha a menor idéia de onde pudessem vir as misteriosas pedras.

O povo do interior nordestino é chegado a crendices, e logo se instalou a idéia de que havia por lá uma alma penada, jogando pedras sobre a casa de Duda. É assombração, diziam. Mandem chamar o padre, ou alguém para benzer a casa. Naquela tarde as pedras não incomodaram mais, porém, no dia seguinte, o pesadelo voltou. E assim, se sucedeu por vários dias, até que, depois de acurada vigilância, descobriu-se a origem das pedras voadoras: Duda. Essa aventura rendeu-lhe uma boa surra, no entanto, não seria uma coisinha assim, sem importância, que lhe tiraria o gosto pelas travessuras.

E Duda aprontou todas, sempre com um sorriso enorme nos lábios, e uma indiscrição fora do comum. Era dinâmica, serelepe. Gostava de correr, de pular, de cavalgar...

Um dia, voltávamos do açude, carregando latas d’água na cabeça. Quando estávamos bem próximas de nossas casas, eu perdi o equilíbrio e a minha lata caiu, derramando toda água, obviamente. A casa dela estava a poucos metros, porém, ela rindo descontroladamente da minha desventura, derramou a água de sua lata, e voltou comigo ao açude. E era assim. Com Duda, as surpresas eram incessantes.

Saí do meu devaneio, do turbilhão de recordações, e vi Duda ali na minha frente, agora adulta, agora deficiente. Passados tantos anos, nos encontrávamos de novo. Todavia, o que me intrigava, era a força que tinha a minha amiga. Foi amputada ainda jovem, devido a um problema de saúde que desconheço, pois nunca lhe perguntei sobre isso, depois, lutou ferrenhamente contra um câncer, e ganhou a luta, e por fim, quando cheia de esperanças se preparava para colocar a prótese da sua perna, que era o seu grande sonho, sofreu um terrível acidente, que machucou seriamente a perna sã.

Duda encarou e encara toda essa, digamos, desventura, com muita garra e determinação. Não se lamenta, não se atormenta, e não se diminui. É cheia de esperanças, de sonhos, e faz a vida acontecer. Conhece suas limitações, porém, não se comporta como um ser imprestável, inútil, pelo contrário, é sinônimo de fortaleza, de alegria, e de coragem.

Cuida da sua casa com esmero. Ela mesma desempenha todas as atividades domésticas: lava, passa, cozinha, limpa... E administra suas parcas finanças e seus interesses com sabedoria. Em suma, um exemplo, uma lição de vida.


Penso que toda energia que existia na Duda criança foi transportada para a Duda adulta, de forma admirável. Quando a vi pela primeira vez, na condição de deficiente, de cadeirante, fiquei penalizada, porém, em poucos minutos, senti vergonha de mim mesma, diante da grande lição de vida que ela me transmitia, sem palavras, mas com  atitudes.

Por Socorro Melo

6 comentários:

Claudete disse...

Querida amiga Socorro é prazeroso chegar aqui e ser brindada com tão grande lição de vida onde se vê literalmente a presença de Deus a dar força a Duda para ser essa figura exemplar desprovida do medo...sim ela não colocou o mundo no altar pois lá é o lugar de Deus... soube transformar de forma luminosa e irradiante o que parecia ser fraqueza para muitos em superação.Parabenizo-a pela forma coloquial da sua narrativa que nos prende e dignifica Duda. Beijos.Tenho circulado pouco.
claudete

✿ chica disse...

Que lindo e tão carinhoso texto com DUDA que deve ser mesmo um grande exemplo de vida ,em especial pra quem se entrega por poucas coisas,não é? Que bom ela ter esse temperamento alegre, dinâmica que a ajuda a tudo bem melhor enfrentar! beijos às duas, chica

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Boa noite,Socorro
Primeiramente gostaria de agradecer a sua gentil visita e comentário.
Fiquei encantada com a história de Duda.
Era exatamente o que eu precisava ler hoje.
Escrevestes lindamente.
Deixo um grande abraço para tí.
Com carinho de
Verena e Bichinhos.

Gracita disse...

Olá Socorro
É uma dádiva abrir a sua página e ser tocada profundamente pela força admirável de Duda que nos passa uma grande lição de vida
E como somos frágeis! Abatemo-nos por coisas tão ínfimas
Vamos nos espalhar no seu exemplo, na sua magnitude e na sua força
Renovemos nossa esperança. É preciso aceitação. E a Duda nos dá uma aula soberba
Uma linda semana para você
Beijos

Toninho disse...

Ola minha amiga.
Demorei vir e encontro uma bela história de amor e resignação e força de viver como se a vida fosse mesmo um mar de rosas.
A Duda nos dá exemplo de que a vida não se resume a um tropeço ou mesmo uma queda.Que viver é preciso um tempero a mais ou o prosseguir será frustrado.
Muito bem que a Duda viva em nós e nos faça cada vez mais crentes da força que vem do Pai.

Uma semana abençoada para voce.
Meu terno abraço de paz e luz.

Socorro Melo disse...


Obrigada, amigos, pela visita! A história de Duda é real, e comovente. Bom seria que todos nós tivéssemos o mesmo espírito decidido e guerrero para enfrentar os desaores dessa vida. Eu a admiro grandemente.


Grane abraço
Socorro Melo