Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

quinta-feira, 22 de junho de 2017

A DINÂMICA DA VIDA


Uma noite fria, mais uma. O céu negro e estrelado. Algumas estrelas cintilavam tanto que pareciam querer me dizer algo, alguma coisa. E eu ali, embevecida, a contemplar aquele espetáculo pela enésima vez. Meu corpo entre quatro paredes, e minha visão transbordando a vastidão do infinito. Um silêncio tocante. Parecia que algo saia de mim, que não cabia em mim, que queria alcançar o infinito, o inalcançável. Era tão bom sentir aquilo. Quantas vezes eu me recolhia àquele pequeno espaço para contemplar Deus, nas estrelas, na imensidão do firmamento. De todas as coisas criadas, a visão da abóbada celeste é a que mais me impressiona, e me emociona. É como uma saudade, uma vontade de voltar pra casa.Como se alguém que me ama muito estivesse à minha espera, contando os minutos para minha chegada. É meu encontro com Deus.

Sinto um movimento na minha alma. Vêem-me à lembrança algumas pessoas, que Deus colocou no meu caminho. Penso nelas. No que vive cada uma. No porquê de Deus ter me colocado no caminho delas. Decerto que foi para aprender. Sou grata por isso.

Duas experiências de vida diferentes. Para mim uma missão desafiante. Por um lado o vigor e o desabrochar da vida dos jovens adolescentes, alegres, impulsivos, irrequietos, curiosos, inocentes ainda, eufóricos pelas novas descobertas, pelo anseio de se lançar na vida, no mundo, de se autoafirmarem, de se sentirem aceitos, importantes, sem muito jeito ainda de lidar com essa fase da vida, tendo até momentos de rebeldia, querendo impor suas vontades, achando que já sabem tudo, mas tão frágeis para qualquer situação inusitada.

Por outro lado, o extremo da vida, o outono, o momento da inutilidade, das limitações, das dores e sofrimentos, da solidão e do medo, do vazio ou da sabedoria da vida. Idosos visitados pelas enfermidades, com dificuldade de locomoção, alguns até presos à cadeiras de rodas, ou vítimas de seus próprios corpos mutilados, lesionados, sem capacidade de reação aos estímulos naturais.

O fulgor da juventude contrastando com a chama bruxuleante da velhice. E que lição de vida, meu Deus! O que dizer a cada qual? Falar de amor, de esperança, de caminhos.

Ser jovem com os jovens, tentar falar a mesma linguagem, conhecer os gostos, animar, advertir, tentar mostrar um tantinho da grandeza do amor de Deus. Desenvolver com criatividade jogos interessantes, a partir dos quais se ofereça a temática que deva ser trabalhada, correndo o risco de não alcançar a sintonia deles, dada a diferença de nossas gerações.

Com os idosos, outra pedagogia, outra maneira de chegar junto, de alcançar o coração, a confiança, e de poder transmitir o ânimo e a alegria do evangelho, da boa notícia. Sinto, por vezes, o medo que eles sentem, a nostalgia, as incertezas, a indignação diante da impotência e inutilidade. E como animá-los? Deixo a cargo do Espírito Santo. O que poderia eu dizer? Como alentar? Mas, tudo posso, naquele que me fortalece, bem disse o apóstolo Paulo, e nessa confiança, congratulo-me com eles, e os faço entender que Deus é fiel, e que com coragem devemos cumprir nossa missão no mundo, pois, os desígnios de Deus, às vezes incompreensíveis, são retos, e um dia, na vida eterna que nós cremos, entenderemos a nossa história.

E assim, olhando fixamente as estrelas, enquanto um arrepio na pele me faz estremecer, vou recomendando a Deus os meus amigos, e esboço um sorriso, e sinto uma paz tão grande, que tenho certeza, Ele me sorri do outro lado, e acolhe a minha humilde prece. E eu ali, embevecida, ante aquele céu negro e estrelado, pela enésima vez.

Por Socorro Melo

3 comentários:

✿ chica disse...

Tão bom numa noite linda, no seu silencia, olhar para o alto e repassar a vida... Lembranças, pedidos, recordações que ficaram... Lindo te ler! bjs, chica

Elvira Carvalho disse...

Um excelente texto amiga. Realmente para cada fase da vida há um tempo, e uma compreensão diferentes.
Abraço e bom fim-de-semana

Gracita disse...

Querida Socorro
Na vida temos que lidar com os oposto, os extremos
Fácil? Claro que não!
Mas o discernimento e a temperança exata vem de Deus que oferece as palavras certas que devemos proferir e qual a melhor postura adotar
E no diálogo que com Deus ele nos prepara e nos capacita
Uma reflexão belíssima minha querida
Beijos e um feliz domingo