Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

terça-feira, 16 de outubro de 2012

ACEITAÇÃO

No comprido corredor do Hospital infantil, banhado naquela hora da manhã pela luz do sol, e de onde podia se ver as folhas brilhantes das palmeiras, agitando-se no ar era impossível não sentir um peso no peito, uma angústia, por saber que tantas crianças estavam ali sofrendo.

Rosana sentou-se perto de uma Enfermaria, enquanto aguardava uma amiga que levara seu filho recém nascido para uma consulta médica. Distraiu-se olhando as palmeiras, e observando mães que levavam seus filhos ao colo, em todas as direções, daquele imenso Hospital, quando ouviu atrás de si, uma voz fraca e suave, chamando-a. Voltou-se imediatamente, e percebeu de onde partira a voz: de um dos leitos da Enfermaria. Levantou-se, e para lá se dirigiu, e viu uma menininha de uns oito anos, de olhos curiosos, e cabecinha lisa e arredondada.

- Foi você que me chamou? – Perguntou Rosana.
- Sim.
- Você está precisando de alguma coisa?
- Não, só de conversar.
- Está sozinha?
- Minha mãe saiu, mas volta logo.
- Sobre o que você quer conversar?
- Qualquer coisa.
- Então, vamos conversar.
- Você também está aqui se cuidando? – Perguntou a menina.
- Não, eu vim acompanhando uma amiga. Ela trouxe o seu bebé. Ele é que está se cuidando.
- Eu estou aqui já faz muito tempo.
- Quantos anos você tem? - Oito anos.
- Você estuda? Rosana conta que a menininha se calou, baixou a cabeça por um tempo, e depois olhou bem nos seus olhos e perguntou:
- Você não tem medo de mim?
- Claro que não. Por que deveria? E ela respondeu:
- Eu estudava, e gostava de ir à Escola, mas, fiquei doente. Os amigos ficaram com medo de mim, e ninguém mais queria brincar comigo, ou ficar perto de mim... então, pedi a minha mãe para sair da Escola.

E enquanto falava, mexia nervosamente nas mãos, que estavam sobre a coberta. Rosana fez um tremendo esforço para não deixar cair lágrimas dos seus olhos, e ficou paralisada pela emoção, por segundos que pareceram uma eternidade. Respirou fundo, se recompôs, e falou à menininha:
- Você vai ficar boa logo, e vai poder voltar à Escola. Vai fazer tudo que gosta, e conquistar muitos amigos. Não se preocupe. Neste momento, pense apenas em ficar curada, e vamos rezar para o seu Anjo da Guarda para que lhe proteja, e lhe traga muitas alegrias. A menininha sorriu. E aquele sorriso marcou para sempre a vida de Rosana.

Minutos depois, Rosana despediu-se da garota, pois, sua amiga retornara. Seguiu-a pelo imenso corredor. Estava calada, sentindo uma sensação estranha, uma mistura de tristeza, impotência e compaixão. Permaneceu muda por bom tempo, angustiada, e quando a amiga perguntou o que acontecera, desabou em lágrimas, e não conseguiu falar nada. Depois que se recompôs, contou-lhe a experiência que vivera com a menininha.

Ela, Rosana, entendeu que é uma necessidade primária, para a pessoa humana, a aceitação. O sentimento de pertença, de que se faz parte de um todo, é fundamental para o equilíbrio e o bem estar de cada ser humano. Ficar de fora do círculo de amigos foi amargo demais para a menininha.

E é possível que a enfermidade, tão hostil, tenha lhe doído menos, e deixado uma marca mais leve do que a rejeição. É mister que aprendamos com a experiência de Rosana, e que sejamos conscientes de que o amor, apenas ele é capaz de implodir todas as barreiras, e nos mover, a fim de que por ele, sejamos capazes de abraçar as pessoas, nos momentos mais difíceis de suas vidas, sem lhes impor o pesado fardo da rejeição.

Por Socorro Melo

9 comentários:

manuel marques Arroz disse...

A felicidade é a aceitação corajosa da vida.

texto maravilhoso.

Beijo.

Élys disse...

Socorro, que texto lindo!...
Tenha a certeza que acompanhei cada palavra com uma lágrima nos olhos.
Um grande abraço,
Élys.

✿ chica disse...

Emocionante e reflexivo,Socorro! LINDO! beijos,chica

Gilmara Wolkartt disse...

Realmente triste, a rejeição e a falta de acolhimento trazem muito mais danos do que a doença. Que aprendamos todos!
Gd beijo

Misturação - Ana Karla disse...

A rejeição é triste.
O afastamento das pessoas por medo deprime mais ainda e somente um ato de amor, como o de Rosana, pode aproximar.
Uma lição.
Bom dia Socorro!
Xeros

pensandoemfamilia disse...

Muito triste, mas é uma realidade, No momento que mais se precisa se sentir parte, algumas vezes as pessoas se afastam,até mesmo para se proteger da dor.
bjs

Claudia disse...

Minha querida! aceitar aquilo que não está sob o nosso controle...Deus tem tarefas, às vezes muito difíceis para a gente aceitar...e depois de aceitar e começar a resolvê-las, a vida se torna mais tranquila...Deus não dá a tarefa maior do que a gente possa resolver...beijos no teu coração e bom fim de semana!

Socorro Melo disse...

Oi, gente!

E pensar que trata-se de uma história verdadeira...
Mas, são essas as lições que mais nos preparam para a vida.

Grande beijo
Socorro Melo

Maria Daniela disse...

Aceitação é a chave da porta que leva à felicidade, mas as pessoas insistem em mantê-la trancafiada!