Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

RETRATO DA MINHA VIDA


Imagem da Net (Google)


Olá, gente!!!


Voltei. Senti saudades desse espaço, e dos contatos com todos vocês, que já fazem parte da minha vida. Que bom estar aqui! E agradeço a todos pelas visitas, pelos comentários, e pelo carinho que me dispensam.


Este singelo poema, abaixo, é uma homenagem à minha avó paterna (In Memorian), Maria das Dores (Mãe Dores), com toda minha saudade, dos tempos felizes da infância.


RETRATO DA MINHA VIDA


Da minha infância distante
Guardo lembranças tão belas
De uma casa bem simples
Com suas grandes janelas
À sombra de um cajazeiro
Frondoso, verde e brilhante
E ao lado, bem cuidado
Um jardinzinho enfeitado
De flores brancas e amarelas

Do cheiro do mato verde
Também da terra molhada
Da pitombeira em flor
Do canto da passarada
Da água do riachinho
Tão cristalina e salgada.

Pelas frestas da janela
O sol vinha nos saudar
Era a luz de um novo dia
Que nos trazia alegria
E nos fazia cantar

E nosso canto ecoava
Até bem desafinado
Enquanto lá na cozinha
Nosso café fumegava
Lembro-me do pão crocante
Da tapioca quentinha
E daquele queijo fresco
Que lá na mesa esperava.

Na escuridão da noite
Quantos monstros eu imaginava
Mas a lua prateada
Sempre, sempre me acalmava
E todos aqueles monstros
A linda lua levava.

O brilho dos vaga-lumes
As estrelas cintilantes
Os enormes girassóis
E aquele gado berrante
O orvalho da manhã
A chuva fria de inverno
E o verão escaldante.

Papai e eu numa rede
E um radinho a tocar
Um lampião flamejante
E um grilo bem distante
Com o seu canto irritante
Começando a incomodar.

O perfume do jasmin
Minha avozinha sentada
Tão meiga e tão concentrada
No seu trabalho entretida
Com seus olhinhos azuis
Que sempre nos encantava
E vez por outra contava
Suas histórias de vida.

Que saudade da alegria
Com que era recebida
Naquela casa tão simples
Por minha avó tão querida
Tanto mimo, tanto amor
Felicidade de outrora
Retrato da minha vida.

(Socorro Melo)


11 comentários:

Yolanda Hollaender disse...

Socorro, agradeço a visita ao meu blog e o comentário deixado.
Passei aqui para visitá-la e encontro um encantador poema. Que homenagem carinhosa!
Meu afetuoso abraço,
Yolanda

Chica disse...

Que lindo poema e saudade.Doces lembranças,né?
beijos,que bom te ver de volta!Linda semana,chica

Misturação - Ana Karla disse...

Bom dia Socorro!

Eu cheguei de Garanhuns ontem e lembrei de você quando passei por Caruaru.
Em uma outra oportunidade vou combinar de passar pela cidade para nos conhecermos.

Tenhas uma boa semana.

Xeros

Bordados e Retalhos disse...

Essas avós recheadas de açucar marcam as nossas vidas. Lindo amiga. Que bom que voltou. Bjs

Jorge disse...

Socorro,

avós são maravilhosas. São recheadas de açucar mesmo.
E que poema amoroso e saudoso.
Realmente são lembranças da nossa infância que nos falam alto.

Beijo, Amiga Luz!!!

Thayla disse...

Socorro, que poema lindo! Saudade da minha avó que não vejo há 8 anos. Minha infância é marcada de lembranças dela, já que ela que cuidava de mim enquanto minha mãe trabalhava o dia todo.
Bjos e uma ótima semana pra ti!

welze disse...

que delícia ler esse poema. muito doce e carinhoso.

manuel marques disse...

Fantástic.

Beijo.

diariodumapsi disse...

Ei Socorro!
Emocionante seu poema!
Que bela homenagem!
Lindoooooo!
Gd beijo

Luciana Penteado disse...

Oi,Socorro, que adorável ter uma saudade dessas. Não é o meu caso, já que fui criada longe das minhas avós e nunca tive essa sensação. As homenagens são uma forma bonita de demonstrar sentimentos e vc o fez aqui com grande sensibilidade.
Beijos pra ti!

Leci Irene disse...

Linda homenagem!!!!!!!!!!