Pegadas de Jesus

Pegadas de Jesus

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

FAMÍLIAS, SALVEMOS NOSSOS JOVENS!


Diz-se que, a célula mãe da sociedade é a família, e eu concordo, plenamente. É no grupo familiar, onde os pais, são, ou ao menos deveriam ser, responsáveis pela transmissão de valores, de boa educação, e de bons costumes.
Essa transmissão, a que me refiro, mais do que com palavras, deve ser repassada com exemplos de vida.
Não importa a posição social, a cultura, a riqueza, o conhecimento, a quantidade de diplomas, que os pais detenham, o importante é que haja integração, e interação, com seus filhos, para que a orientação flua de forma espontânea e natural.
Se os pais não cuidarem dos seus filhos, se não os preparem para a vida, se não houver orientação adequada, imposição de limites, as conseqüências serão nefastas, e desembocarão na sociedade. E temos visto isso.
Causa-me tristeza, e dó, ver os jovens de hoje. Não estou generalizando, pois, toda regra tem suas exceções, mas, a grande maioria dos jovens, não têm objetivos, ideais, perspectivas de vida, e assemelham-se a verdadeiras marionetes.
Vivem praticamente para as baladas, como se a vida fosse uma eterna festa.
Alienados, massificados, correm atrás de prazeres imediatos e passageiros, que nada agrega a suas vidas.
Os relacionamentos são descartáveis. O amor virou asneira, cafonice. E as amizades, quando as têm, são freqüentemente motivadas por interesses egoístas.
Já não têm mais respeito pelos pais, avós, professores, pessoas mais velhas, enfim... não respeitam, e nem se dão ao respeito.
Pensam que as orientações, ou aconselhamentos, são intromissões em suas vidas, e isso não admitem, e por isso, tornam-se cada vez mais irresponsáveis.
Os pais, por sua vez, também se descuidam dos filhos. A desculpa, ou alegação, é a falta de tempo, de disponibilidade, a ausência, por causa do trabalho, e por isso compensam os filhos, suprindo-os com coisas materiais, e acham que estão dando tudo que eles precisam. E os filhos, se aproveitam dessa prática, exigindo cada vez mais, e o pedido deles, é sempre mais que um pedido, é uma ordem. Às vezes, me parece que os pais, têm medo dos próprios filhos.
É lamentável, pois, nada material substitui a presença. E presença, não significa, necessariamente, estar junto dos filhos 24 horas por dia, mas, que os instantes possíveis, sejam intensos, e sirvam para exemplar e cuidar com amor.
Que os pais, não deixem para chorar o leite derramado, dizendo, por exemplo: eu daria tudo que tenho pra meu filho sair das drogas, mas, diga, antes de tudo: eu darei tudo de mim, pra meu filho não entrar nas drogas.

Famílias, salvemos nossos jovens!

Imagem do Google.

11 comentários:

Nilce disse...

Apaludo em pé e assino em baixo Socorro.
O futuro do país depende de nossas crianças e nossos jovens, mas a realidade que se apresenta não mostra futuro algum para muitos.
Parabéns pelo texto.

Bjs no coração!

Nilce

^.^ Ana Clara ^.^ disse...

Belíssima postagem, como sempre, nos chamando para uma maior reflexão dos tempos modernos, mas catastróficos de hoje!
De fato, concordo com você, a grande maioria dos jovens são tão alienados, sem valores, sem temores, que só em pensar que, quando nós estivermos mais velhos estaremos nas mãos deles, chego a tremer!
Que Nossa Senhora tenha misericórdia de nós!!

......

Querida, tenha um mais que feliz Ano Novo, renovado e abençoado a cada amanhecer! Que sempre encontres alegria em viver, e que sejas muito feliz.
Receba o carinho de todos nós da Toca dos GAtos.

pensandoemfamilia disse...

Oi Socorro

È incrível como já em crianças assistimos comportamentos tão desrespeitosos e os pais nem se dão conta, coisas simples, como por ex. vc estar sendo atendido num balcão e a criança passa a sua frente como se vc não existisse pra ser atendida. Que adulto poderá se transformar???
bjs,

Sara disse...

Oi Socorro Querida!
Esses dias estava lendo uma reportagem que abordava este tema...Foi feita uma pesquisa e descobriu-se que uma porcentagem bem alta dos jovens que tem problemas comportamentais e com vícios, é devido à famílias destruturadas, ausência dos pais,e por aí vai...
Li também a seguinte frase...
"NÃO IMPORTA A QUANTIDADE DE TEMPO QUE VOCÊ PASSA COM SEU FILHO E SIM O QUE VOCÊS FAZEM NESSE PERÍODO."
Por isso, jamais devemos perder a oportunidades de ser sempre presentes na Vida de nossos filhos, muito mais do que a presença física é realmente passar tempo de qualidade e se interar de todas as suas necessidades e anseios deles.
Bjs.

diariodumapsi disse...

Ei Socorro!
Concordo com você.A família é o que há de mais importante para qualquer ser-humano.
Os jovens precisam de orientação e de segurança para conquistarem seu lugar no mundo e o apoio da família é fundamental.
Ótima postagem.
Gd beijo

Pati Araújo disse...

Oi Socorro,

FELIZ ANO NOVO!! Com muita saúde, amor e bênçãos! Para vc e sua família.

Socorro, obrigada pelo carinho. É um prazer manter esse contato contigo, sempre saio mais "rica" após uma visita ao seu blog, obrigada!
Sabe, enquanto lia o seu texto, aliás primoroso, parabéns! Pensava em minha filha, Maria Lua, que já com quase 15 anos é a minha companheira constante, desde sempre. Concordo com vc, precisamos estar junto aos filhos se desejamos o bem deles. Se os conhecemos, evitamos sustos e sobressaltos. Procuro viver isso com Lua, e sempre dá certo!

Tudo de bom pra vc, com carinho.
Beijos,
Pati :)

manuel marques disse...

A sociedade não é mais do que o desenvolvimento da família: se o homem sai da família corrupto, corrupto entrará na sociedade .

Abraço.

Misturação - Ana Karla disse...

Socorro,
finalmente acontecerá encontro de blogueiros em Recife/Olinda e lembrei de você, clarooo.
Me passe o e-mail que mando detalhes, ok?

Xeros

Chica disse...

Quantas verdades aqui...Há tanto a fazer.Tentamos fazer e dar o melhor, mas o amor é o melhor de tudo...beijos,chica

Leci Irene disse...

Olá, garota!!!!!!!
Concordo contigo em número, gênero e grau! A familia é essencial, primordial. Os pais deveriam começar a cuidar dos seus filhotes antes que algo aconteça!!!!!!!

Manuela Freitas disse...

OLá amiga Socorro,
Tudo o que escreves adapta-se perfeitamente ao que se passa aqui, mas há factores sociais que contribuiram e muito para isso e obviamente que me refiro à realidade portuguesa. Lembro-me do tempo em que as mulheres preferencialmente eram mâes e estavam em casa, o facto de terem e quererem trabalhar profissionalmente, abalou o núcleo familiar, isso foi dando aos jovens mais independência. Depois por cá começou uma vaga de divõrcios incríveis e isso resultou num outro abalo para o núcleo familiar, talvez mais grave, porque os jovens andavam perdidos, não só pelos pais separados, como cada um deles a querer recompôr a sua vida. Para agravar ainda mais tudo foi-se instalando um consumismo tremendo, que foi colocando de lado os valores, parece que tudo se compra!
Isto daria para uma longa conversa! rsssss
Beijos,
Manú